Manifestos e Moções

Nota de repúdio do FENPB em relação às decisões tomadas pelo Governo Federal e Ministério da Saúde do Brasil em sua condução diante da Pandemia da COVID-19

Nós, entidades do Fórum de Entidades Nacionais da Psicologia Brasileira – FENPB manifestamos veementemente nosso repúdio em relação às decisões tomadas pelo Governo Federal e Ministério da Saúde do Brasil em sua condução diante da Pandemia da COVID-19.

Não podemos aceitar mais decisões pautadas em irresponsabilidade, inverdades, negacionismo, desrespeito à população, descrédito à ciência, falta de planejamento e gerenciamento, incentivo a atitudes contrárias à prevenção da doença, dentre outras barbáries.

Tais decisões têm resultado no quadro extremamente grave que estamos presenciando com grande tristeza em todo o país, e em especial, com os nossos irmãos amazonenses, aos quais manifestamos aqui nossa solidariedade.

Não é possível tolerarmos mais tamanha incompetência e descaso dos governantes brasileiros diante das vidas humanas.

À gravidade da situação pandêmica e reais ameaças que este vírus representa à saúde e à vida, soma-se o sentimento de insegurança e desamparo provocado pela inoperância, lentidão e descaso do governo federal, que provoca sofrimento psíquico, desesperança, adoecimento psicológico. Como entidades que estudam e atuam no campo da Psicologia, que entendem o ser humano em sua totalidade física e psicológica, alertamos para os riscos que extrapolam os efeitos diretos do vírus, mas que afetam a vida e não podem ser negligenciados.

É preciso reagir antes que todos os Estados da Federação vivam a mesma situação do Amazonas, razão pela qual vimos a público manifestar nossa indignação e repulsa diante do que vem ocorrendo desde o início da pandemia, culminando com as tragédias que estamos vivenciando.

Assim, em nome dos profissionais, psicólogos e psicólogas, docentes e estudantes vinculados às entidades do FENPB, exigimos medidas imediatas para que a vacinação possa ser iniciada para toda a população brasileira que se encontra  nesse  momento

no espectro dos grupos de maior risco de morte e internação: trabalhadores da saúde e assistência social que atuam nas frentes de combate à COVID 19, profissionais da educação, idosos, pessoas com deficiência e comorbidades, comunidades indígenas e quilombolas. Só a vacinação em massa reduzirá a velocidade acelerada da propagação do vírus. É inaceitável que em função de tantos erros no gerenciamento da saúde, milhares de vidas sejam ceifadas. O Brasil bateu a marca de 210 mil mortos na data de hoje, 19/01/2021, com mais de mil mortes por dia. Basta de tantas mortes e de desencontros de informação.

Um governo que não cuida de seus cidadãos e cidadãs, que não preza os princípios constitucionais e que não promove a saúde e o bem estar, principalmente numa crise sanitária desta grandeza, nega todos os princípios e valores da vida humana e não é digno de ocupar o lugar institucional para o qual foi eleito. 

Vacina já! Campanha de vacinação já! Respeito à vida humana já!

Assinam essa nota as seguintes entidades da Psicologia:

ABECIPsi – Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia

ABEP – Associação Brasileira de Ensino de Psicologia

ABOP – Associação Brasileira de Orientação Profissional

ABP+ – Associação Brasileira de Psicologia Positiva

ABPD – Associação Brasileira de Psicologia do Desenvolvimento

ABPJ – Associação Brasileira de Psicologia Jurídica

ABPP – Associação Brasileira de Psicologia Política

ABPSA – Associação Brasileira de Psicologia da Saúde

ABRANEP – Associação Brasileira de Neuropsicologia

ABRAP – Associação Brasileira de Psicoterapia

ABRAPAV – Associação Brasileira de Psicologia da Aviação

ABRAPEE – Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional

ABRAPESP – Associação Brasileira de Psicologia do Esporte

ABRAPSIT – Associação Brasileira de Psicologia de Tráfego

ABRAPSO – Associação Brasileira de Psicologia Social

ANPEPP – Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia

CFP – Conselho Federal de Psicologia

CONEP – Coordenação Nacional de Estudante de Psicologia

FENAPSI – Federação Nacional dos Psicólogos

FLAAB – Federação Latino-americana de Análise Bioenergética

IBAP – Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica

IBNeC – Instituto Brasileiro de Neuropsicologia e Comportamento

SBHP – Sociedade Brasileira de História de Psicologia

SBPOT – Associação Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho

Vacinação para toda a população

O Conselho Federal de Psicologia (CFP), os 24 Conselhos Regionais de Psicologia (CRPs) e o Fórum de Entidades Nacionais da Psicologia Brasileira (Fenpb) vêm a público posicionar-se em favor da incorporação das vacinas contra a Covid-19 no programa nacional de imunização (PNI), como forma de garantir a vacinação de toda a população brasileira por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). O PNI é um patrimônio brasileiro, cuja experiência consolidada permite a realização sistemática de campanhas de vacinação de grande porte, sendo tal competência inestimável para o desafio imposto pela pandemia que assola o país é o mundo.

O recrudescimento da doença em diversos países, inclusive no Brasil, tem provocado impactos negativos graves na saúde e qualidade de vida de toda a população, com destaque para as mais vulneráveis, decorrentes do isolamento social, acirrando as desigualdades sociais, comprometendo a retomada da economia.

Passado quase um ano do anúncio da doença pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o mundo recebe das mãos da ciência várias opções de vacinas eficazes e seguras que irão contribuir para a retomada gradual das escolas e universidades, dos postos presenciais de trabalho e das relações sociais.

O CFP, os CRPs e o Fenpb ressaltam, mais uma vez, a necessidade urgente de um planejamento nacional para a vacinação no Brasil, respeitando-se os princípios do SUS da Universalidade e da Equidade, que preceituam o direito à atenção à saúde por parte de todas as pessoas.

A não garantia destes princípios contribui sobremaneira para a fragilização do SUS e o acirramento das desigualdades no país.

Em respeito à vida, VACINA JÁ!

Nota de falecimento – Professora Sylvia Leser de Mello

A Psicologia Social brasileira amanheceu mais triste nessa segunda-feira após feriados de final de ano e início de outro, com a notícia do falecimento da Professora Dra. Sylvia Leser de Mello, ontem, 3 de janeiro de 2021, em São Paulo. Incansável defensora dos direitos humanos, Sylvia atuou em frentes diversas que tinham como eixo comum a profunda fé no humano, como ela mesma dizia, sem, contudo, deixar de denunciar com afinco as faces perversas das iniquidades. Em tempos difíceis como os que vivemos, essa admiradora de Hannah Arendt conseguia continuar nos inspirando na luta por justiça social e uma vida mais digna para todes. Vinda da Filosofia, Sylvia, em sua tese de Doutorado, em plena ditadura militar, pesquisou a formação profissional em Psicologia e, naquele texto preciso, identificava as ciladas em torno do conceito de “normalidade”, que a Psicologia deve enfrentar com vigor, sob pena de perpetuar sua condição adaptativa, reguladora, ortopédica – diria Foucault. No prefácio escrito para seu livro Trabalho e Sobrevivência, Paulo Freire ressalta a belezura do texto de Sylvia, em seu estilo preciso, sólido, engajado, emocionado em muitas passagens. A criação do Laboratório de Estudos da Família, Relações de Gênero e Sexualidade, no Instituto de Psicologia-USP, do qual foi diretora, consolidou um eixo de seus trabalhos que há muito vinha sendo explorado ao tecer análises críticas sobre os modelos burgueses tomados como naturais, como é o caso da família nuclear, monogâmica, branca, cis e heterossexual, que até hoje é preconizada, por muitos, como a legítima, “saudável” e moralmente aceitável. Durante anos trabalhou arduamente na Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da USP, da qual era uma entusiasta, onde formou trabalhadores e estudantes orientada pelos princípios da Economia Solidária, em que o trabalho construído em bases igualitárias é um dos principais pilares. Em seus cursos, elaborava com precisão a crítica aos modos de dominação/exploração/opressão e ao cientificismo que lhes é conveniente/conivente. A paixão pela literatura  era compartilhada por ela, também, como forma de adentrar o mundo, a realidade mundana, a vida de mulheres e homens comuns. Inspiradora em sua coragem, sua delicadeza, sua intolerância para com as violências de todos os tipos, Sylvia Leser de Mello fez história. Deixa sua marca inegável em nós que com ela tivemos o privilégio de conviver, assim como naquelas e naqueles que, por meio de sua obra, são convocados ao enfrentamento das injustiças de todos os tipos e à produção de uma Psicologia crítica comprometida social e politicamente. Sylvia Leser de Mello, presente!

Nota da ABPP em solidariedade à comunidade acadêmica da UFPB

A Associação Brasileira de Psicologia Política (ABPP) foi criada em 2000, porém as suas raízes estão em articulações que ocorreram a partir do final da década de 1980 que teriam sido impossíveis sem o processo de redemocratização. Para pesquisadoras e pesquisadoras, uma das conquistas fundamentais do processo de transição democrática aparece no artigo 207 de nossa Constituição Federal de 1988, o qual assegura a autonomia universitária. Esta conquista foi relevante para as primeiras articulações que culminaram na criação da ABPP e é de extrema importância para a atuação crítica da associação.

Neste sentido, nos guiando pelos princípios democráticos que sempre marcaram a história da ABPP, seremos contra qualquer tipo de ataque aos direitos democráticos fundamentais. Por isso, repudiamos veementemente a nomeação do professor Valdiney Gouveia como reitor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

A nomeação de um professor que não recebeu um único voto dos conselheiros do órgão máximo de deliberação da UFPB e que recebeu 5% dos votos na consulta à comunidade da universidade demonstra a disposição do atual governo, como qualquer expressão de extrema-direita, em romper com princípios democráticos.

Não há nada de surpreendente, pois desde o golpe de 2016 e a chegada do governo Bolsonaro ao poder a violação aos fundamentos básicos de uma democracia tem se tornado o modus operandi prioritário de elites que, como vimos na pandemia de COVID-19, não têm qualquer pudor em sacrificar a classe trabalhadora.

Porém, intensifica nossa indignação ver que um pesquisador da Psicologia de uma universidade federal está com o seu nome estreitamente associado a um golpe contra o que a comunidade da UFPB decidiu sobre a sua reitoria. Caso o professor Valdiney Gouveia não recuse a nomeação realizada por Bolsonaro, ele estará compactuando com um duro ataque contra a autonomia universitária e o que estudantes, docentes e TAEs escolheram para a UFPB. Nada mais avesso ao fortalecimento da democracia no Brasil.

Por isso, a ABPP se posiciona favorável às lutas daquelas e daqueles que hoje lutam pelo #ForaValdiney e o respeito às deliberações da comunidade da UFPB. Reitora eleita, reitora empossada!

Nota de repúdio da Associação Brasileira de Psicologia Política à Medida Provisória Nº 979/2020

A Associação Brasileira de Psicologia Política (ABPP) manifesta-se contrariamente à Medida Provisória Nº 979, publicada no Diário Oficial da União em 09 de junho de 2020, que dispõe sobre a designação de dirigentes pro tempore pelo Ministro da Educação para as Instituições Federais de Ensino no período da pandemia da Covid-19.

A ABPP considera que esta medida provisória contraria a autonomia universitária na medida em que retira das Instituições Federais de Ensino a autonomia de decisão sobre a escolha de seus dirigentes. Compreendemos a gravidade do contexto da pandemia da COVID-19, entretanto, discordamos da adoção de qualquer medida de intervenção nas Instituições Federais de Ensino.

Solicitamos que o presidente da Câmara devolva esta Medida Provisória em nome do respeito à autonomia universitária.

Esta Nota é apoiada por outras entidades da Psicologia Brasileira, as quais encontram-se listadas abaixo.

10 de junho de 2020

Diretoria da ABPP (Gestão 2019-2020)

Entidades apoiadoras:

ABECiPsi – Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia

ABEP – Associação Brasileira de Ensino de Psicologia

ABOP – Associação Brasileira de Orientação Profissional

ABP+ – Associação Brasileira de Psicologia Positiva

ABPD – Associação Brasileira de Psicologia do Desenvolvimento

ABPJ – Associação Brasileira de Psicologia Jurídica

ABPSA – Associação Brasileira de Psicologia da Saúde

ABRAP – Associação Brasileira de Psicoterapia

ABRAPEE – Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional

ABRAPSIT – Associação Brasileira de Psicologia de Tráfego

ABRAPSO – Associação Brasileira de Psicologia Social

ANPEPP – Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia

CFP – Conselho Federal de Psicologia

FENAPSI – Federação Nacional dos Psicólogos

FLAAB – Federação Latino-Americana de Análise Bionergética

IBAP – Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica

IBNeC – Instituto Brasileiro de Neuropsicologia e Comportamento

SBHP – Sociedade Brasileira de História da Psicologia

SBPH – Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar

SBPOT – Associação Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho

 

ABPP NA MARCHA VIRTUAL PELA CIÊNCIA

ABPP na MarchaNeste dia 07 de maio de 2020, em que estamos juntas(os) na Marcha Virtual pela Ciência promovida pela Sociedade Brasileira pelo Progresso da Ciência (SBPC), a ABPP lança seu canal no Youtube com a publicação de um vídeo em apoio à Marcha Virtual pela Ciência.
Inspirada na Marcha, a ABBP iniciará hoje o projeto ABPP e Conjuntura Política no Contexto de Pandemia, para o qual convidamos sócias(os) da entidade para produzirem vídeos debatendo temáticas investigadas por elas(es) e que nos auxiliam a refletir sobre o contexto histórico em que vivemos. Agradecemos às(aos) associadas(os) que aceitaram fazer parte deste projeto.
Convidamos todas e todos para assistirem e compartilhar os vídeos, bem como pesquisadoras(es), estudantes e profissionais para se aproximarem da ABPP e tornarem-se sócias(os) desta entidade científica. Cada vez mais precisamos estar juntas(os) na defesa da ciência!

Participem da Marcha Virtual pela Ciência.
#FiquemEmCasaComaCiência

Diretoria da ABPP (Gestão 2019-2020)

 

Nota da ABPP sobre a saída da Diretora de Avaliação da Capes

A Associação Brasileira de Psicologia Política – ABPP apresenta preocupação em relação à saída da Diretora de Avaliação da Capes, Profa. Sônia Báo, num momento de importantes debates sobre a política de avaliação da pós-graduação no Brasil.

A ABPP salienta a importância da política científica brasileira ser conduzida de maneira dialógica e transparente, em contínua articulação com as associações científicas dos diferentes campos de conhecimento. Deste modo, espera que a mudança na Diretoria de Avaliação da CAPES não comprometa um diálogo democrático e responsável da CAPES com a comunidade acadêmica.

Ademais, a ABPP ressalta a necessidade de maior investimento econômico  do Estado na ciência brasileira, incluindo as ciências humanas e sociais, e do fortalecimento da autonomia das agências de fomento, as quais devem sempre se orientar pela garantia da excelência na formação de pesquisadoras e de pesquisadores das diferentes regiões do país, pela preocupação com o financiamento da produção e divulgação de pesquisas científicas.

O contexto de pandemia vivenciado na atualidade demonstra de maneira exemplar a importância da comunidade científica para a construção de reflexões críticas e de políticas públicas fundamentais ao desenvolvimento econômico e social do país.

Diretoria da ABPP (2019-2020)

Nota da ABPP de repúdio ao pronunciamento do secretário da Cultura do governo brasileiro

A Associação Brasileira de Psicologia Política (ABPP) repudia veemente a referência a discursos de membros do regime nazista por integrantes do governo brasileiro, bem como afirma a urgência de debatermos cada vez mais sobre a fragilidade da democracia brasileira nos últimos anos, no intuito de construirmos análises e fomentarmos ações que contribuam para a defesa intransigente dos princípios da igualdade e da liberdade. Ressaltamos que a exoneração do secretário da Cultura do governo Bolsonaro é um ato de extrema importância. Entretanto, salientamos que a apologia a regimes totalitários, à censura, à discriminação de grupos minoritários, ao ódio tem se fortalecido no país nos últimos anos. A defesa da democracia não pode caminhar junto com essas posturas totalitárias!

NOTA DA ABPP DE SOLIDARIEDADE AOS KARIRI-XOCÓ DE PORTO REAL DO COLÉGIO

A Associação Brasileira de Psicologia Política vem a público manifestar seu apoio e solidariedade ao povo Kariri-Xocó de Porto Real do Colégio – AL. No dia 28 de novembro de 2019 um grupo formado por cerca de 12 famílias e 56 pessoas saiu da Aldeia e realizou a ocupação de uma fazenda a 8km da Aldeia, próximo ao povoado Taperinha, pertencente a Porto Real do Colégio, como tentativa de retomada de seu território. No dia 29 novembro, por volta das 16:30 horas, as famílias foram surpreendidas por homens armados. A ocupação de terras para retomada dos territórios indígenas é uma estratégia para dar visibilidade aos processos de demarcação. O território Kariri-Xocó foi demarcado em 1993, entretanto, em um espaço insuficiente para as famílias. Em 2006, 4.419 hectares de terra foram declarados como posse permanente do povo Kariri-Xocó através da portaria ministerial 2.358 de dezembro de 2006. Porém, não houve no território a desintrusão de posse da área pelos não índios da região.

A Associação Brasileira de Psicologia Política repudia veementemente qualquer ato de violência contra o povo Kariri-Xocó de Porto Real do Colégio, bem como, apoia e se solidariza com suas lutas, pela retomada de suas terras e pelo acesso aos seus direitos.